Blog do Juares | Fisioterapia na Lesão por Esforço Repetitivo (LER)

Camaquã-RS
09:58
21/10/2017

Blog do Juares | Fisioterapia na Lesão por Esforço Repetitivo (LER)

Redes Sociais

Facebook Twitter RSS Contato
VEM AÍ NOVIDADES EM DEZEMBRO! Aguardem!
Anunciantes Blog do Juares

Colunistas

Douglas Decavata - Fisioterapeuta

O fisioterapeuta Douglas Decavata atende na Clínica Max Peres Dias - Av. Bento Gonçalves, 759, Camaquã/RS - Fones: (51) 3671-6843 / 9843-3270.

Fisioterapia na Lesão por Esforço Repetitivo (LER)

06/11/2016 | 23h23 | Fonte: Douglas Decavata / Foto Divulgação
Compartilhe:

A Lesão por Esforço Repetitivo (LER) pode ser classificada em quatro graus: GRAU I- O paciente refere sensação de peso e desconforto no membro afetado, dor espontânea localizada nos membros superiores (braços) ou cintura escapular, às vezes com pontadas. A dor melhora com o repouso. O prognóstico (previsão de evolução) é bom. GRAU II- A dor é, em geral, mais persistente e intensa e aparece durante a jornada de trabalho de forma intermitente. Pode haver uma irradiação (formigamento e calor) definida, sendo a recuperação em geral mais demorada. Pode aparecer quadro doloroso durante atividades domésticas e ou sociais. O prognóstico é favorável.

GRAU III– A dor torna-se persistente, mais forte. O repouso em geral só atenua a intensidade da dor. É frequente a perda de força muscular e parestesias (formigamentos). Há sensível queda de produtividade, quando não impossibilidade de exercer as funções laborais. Ocorrem alterações de sensibilidade, força e edema (inchaço). Neste estágio o retorno às atividades laborais é problemático. O prognóstico é reservado.GRAU IV- A dor é forte, intensa e contínua, por vezes insuportável, levando o paciente a intenso sofrimento. A capacidade laboral é anulada e a invalidez se caracteriza. Neste estágio são comuns alterações psicológicas com quadros de depressão ansiedade e angústia.

A conduta terapêutica utilizada para o tratamento da LERpode ser conservadora ou cirúrgica, baseando-se nas formas de apresentação clínica. A conduta terapêutica conservadora baseia-se em: Repouso (imobilização e afastamento), medicação (antiinflamatórios, analgésicos, vitaminas e medicações sintomáticas) e fisioterapia. Na fisioterapia são utilizados métodos específicos de tratamento objetivando condicionar os tecidos afetados: Alongar, fortalecer, otimizar a circulação sanguínea e corrigir possíveis causas das LERlocalizadas em outras regiões do corpo como, por exemplo, as alterações posturais e até mesmo atuando no combate ao estresse. As LER, quando diagnosticadas e tratadas precocemente tem seus sintomas controlados com maior facilidade e a resolução ocorre em menor espaço de tempo. Utiliza-se dos aparelhos de eletroterapia (corrente interferencial, TENS, CDB, laser e ultra-som), além da cinesioterapia ou técnicas especificas para correção postural e trabalho global de alongamento e fortalecimento muscular. Também se recomenda o uso de órteses (talas) e bandagens (fitas) para diminuição da sobrecarga na articulação acometida.

A prevenção de LERbaseia-se na adoção de medidas relativas ao tempo de exposição (pausas e limitações de tempo de trabalho), a alterações no processo e organização do trabalho e na adequação de máquinas, mobiliários, dispositivos, equipamentos e ferramentas de trabalho às características dos trabalhadores.

Ft. Douglas Decavata atende na Clínica Max Peres Dias. Fone: (51) 3671-6843.

Compartilhe:

deixe seu comentário