Blog do Juares | Conto a literatura conectada

Camaquã-RS
00:45
21/01/2018

Blog do Juares | Conto a literatura conectada

Redes Sociais

Facebook Twitter RSS Contato
PROGRAMAÇÃO MUSICAL DAS 8H ÀS 24H!
Anunciantes Blog do Juares

Colunistas

Literatura e Cultura com Alceu Amaral

Alceu Amaral da Silva é natural de Pelotas-RS, formado em Letras. Professor, Pós-graduando em Educação de Jovens e Adultos pela FURG. Funcionário público, escritor amador, ativista Cultural. Administrador do Festival Rock e Poesia em Camaquã, Coautor do Livro Eclipses e Elipses e Destilando Poesias e contos no Blog Mouroblog.com .

Conto a literatura conectada

01/12/2017 | 08h32 | Fonte: Alceu Amaral / Foto: Divulgação
Compartilhe:

Em tempos de conectividade intermitente e unanime a literatura também está antenada com o ritmo dos leitores contemporâneos, e o Gênero Literário Conto e seu rebento o Miniconto se destacam pela rapidez de sua leitura.

Primeiro devemos recordar o que é Conto.

O conto é um texto narrativo do gênero literário. Ele tem o foco em um fato ou um determinado acontecimento, geralmente uma ficção, ou seja, é uma história inventada, ou fantasiosa ou um curto recorte do dia a dia. Porém mesmo sendo pequeno, ele possui um enredo completo, e até um clímax, que é o momento mais importante da história.

Os contos tiveram início há muitos séculos atrás. Era feito de forma oral, naquela época não havia escrita. Os gregos e romanos costumavam contar os contos para a população nas noites de luar, os contos da época eram as antigas lendas orientais, algumas parábolas bíblicas, e com o passar dos tempos vieram as novelas medievais italianas, as fábulas francesas de Esopo e La Fontaine, até chegar aos livros, que é a forma mais comum de conhecermos os contos.

Com a evolução do tempo os contos passaram a receber várias classificações e divididos em categorias referentes ao gênero como: contos maravilhosos, de amor, ficção, policiais, de terror, mistério e etc.

O Miniconto, microconto ou nanoconto, é uma espécie de conto muito pequeno, produção esta que tem sido associada a contemporaneidade. Fica evidente que as características do que chamamos de miniconto são diferentes das de um Conto. No miniconto muito mais importante que mostrar é sugerir, deixando ao leitor a tarefa de "preencher" as elipses narrativas e entender a história por trás da história escrita.

O guatemalteco Augusto Monterroso é apontado como autor do mais famoso miniconto, escrito com apenas trinta e sete letras:

Quando acordou o dinossauro ainda estava lá.

Assim como o estadunidense Ernest Hemingway é autor de outro famoso miniconto. Com apenas vinte e seis letras, mas por trás das quais há toda uma história de tragédia familiar:

Vende-se: sapatos de bebê, sem uso.

Eu me identifico com esta velocidade na escrita e na riqueza do que as palavras não dizem ao falarem muito e me aventuro em busca do Miniconto perfeito acompanhe.

Fim de Jogo

Nino gostava de jogar bola, nunca perdera, mas quando a bola caiu no pátio da dona Alzira, teve sua primeira derrota.

Dissabor

Mascava, mascava, mascava um chiclete. Sabor: Sua vida.

Para conhecer outros contos acesse http://mouroblog.blogspot.com.br/

Compartilhe:

deixe seu comentário