Blog do Juares | Alceu Amaral - Literatura e Cultura

Camaquã-RS
19:46
15/12/2018

Blog do Juares | Alceu Amaral - Literatura e Cultura

Redes Sociais

Facebook Twitter RSS Contato
RELEMBRE OS BONS MOMENTOS
Anunciantes Blog do Juares

Colunistas

Alceu Amaral - Literatura e Cultura

Alceu Amaral da Silva é natural de Pelotas-RS, formado em Letras. Professor, Pós-graduando em Educação de Jovens e Adultos pela FURG. Funcionário público, escritor amador, ativista Cultural. Administrador do Festival Rock e Poesia em Camaquã, Coautor do Livro Eclipses e Elipses e Destilando Poesias e contos no Blog Mouroblog.com .

Um fim de semana

01/05/2018 | 14h22
Compartilhe:

Tenho por costume não ser atual em minhas colunas, ser mais profundo que os acontecimentos e deixar que o tempo se incube de perpetuar os procederes e os acontecimentos humanos. Mas um fim de semana atípico em Camaquã me alertou o crivo das ideias.

Entre os dias 20 a 22 de abril deste ano, Camaquã teve uma enxurrada de eventos dos mais diversos, mas que geraram focos e coberturas das mais díspares.

Começo. No dia 20 uma sexta, houve uma mobilização com debate sobre a duplicação da BR-116, válida, importante, urgente e oportuna. Um painel de discussão com pessoas “intendidas” sobre o assunto que trouxe muita visibilidade a cidade.

Já no domingo 22 tivemos uma 2ª Caminhada em homenagem a Ogum e São Jorge na manhã do domingo (22). A concentração ocorreu na Praça Zeca Netto, às 10h. Após realizar o rito inicial, o grupo partiu pela Avenida Olavo Moraes, rumo à Esquina Democrática.

No mesmo dia tivemos um festival de Rock nesta mesma praça, que uniu muitos jovens e a comunidade em geral para assistir música e poesia naquele espaço.

O que liga nestes eventos? Não é a cidade que os recebeu, as pessoas que o protagonizaram não é a intenção que na verdade são distintas, nem horários.

Sim eles estão ligados. Por um cordão umbilical tão frágil que muitos não o veem, ou não querem ver, me refiro a educação cultura e espiritualidade, valores que se ligam a tragédia que acontece na BR-116 de forma excludente. Por não termos as primeiras sofremos as agruras trágicas de uma duplicação procrastinada, onde a aura negra de um pais injusto a cobre.

Fica claro para mim que sem ensino de qualidade construído de mãos dadas com a cultura e aliado a sentimentos e ensinamentos espirituais dos mais altruístas, não teremos êxito em nossas demandas mais caras, e continuaremos morrendo e matando de forma exponencial.

Eu procuro não ser mais testemunha ocular da vida brasileira, exercito a minha cidadania em minha vida familiar e profissional, mas o que me rege nestes momentos é a lucidez.

Logo peço um maior discernimento dos acontecimentos que nos cercam, para não cairmos nas armadilhas do dia a dia.

Compartilhe:

Viagens na minha terra tropical

04/04/2018 | 17h28
Compartilhe:

Gosto de pensar a vida como um grande livro que vamos escrevendo a cada escolha e saboreando as consequências como folhas de um bom romance. Hoje alinhei meus pensamentos com o livro Viagens Na minha Terra do português ALMEIDA GARRETT, traçando um breve paralelo com nosso Brasil.

A personagem protagonista Carlos viaja por Portugal, no afã de uma busca, transmutando em elemento temático fundamental, a viagem é cerne da obra e que fica claro desde o primeiro capítulo. Por meio da viagem pelo interior do próprio país do autor-narrador, busca-se a fonte do que é ser português em um momento de impactantes mudanças no país.

Simbolicamente há um embate entre tradição (monarquismo) e modernidade (ideias liberais). Carlos também não consegue se decidir entre Joaninha (que representa o velho Portugal) e Georgina (representante do novo Portugal). O protagonista finda por desistir de ambas, arruinando sua identidade e sua moral. Carlos figura como uma representação de uma sociedade alienada e degradante.

Proporcionalmente, o Brasil vive uma seção, entre diversas fatias é verdade, o progressista contra o tradicional, o saudosista e o reformista, o armamentista e o pacifista, a esquerda e a direita, o partido X contra o Y. Como na Obra de Garrett o meio justifica fim, estas divisões impedem o brasileiro médio de então se descobrir, se enxergar e mirar em seu caminho, rumo o que lhe é melhor.

Causas são abundantes, senão vejamos. Quem leu o livro que aqui cito com mote?

Sim, sou repetitivo, ler é o alicerce para uma nação que se conhece e reconhece nos passos que a história alinha rumo ao futuro, sem leitura dançamos sem sair do lugar em um baile bufo.

Lembro que o título do livro é “Viagens” no plural, devemos viajar por nosso pais, adquirir cultura, voltar ao passado para não repetir erros, vislumbrar um futuro no coletivo e nunca no individual vide “jeitinho brasileiro”. Entender nossa miscigenação de causas e consequências.

Penso que como a obra que fica dividida entre o Romantismo e o Realismo, o Brasil está dividido, e vocifero para que busquemos a união do humano em nós, para então construir uma identidade de pais de nação.

Por fim, fica a comoção do autor diante de um passado cheio de riqueza entregue a uma sociedade vil, corrupta e materialista, bem como o seu profundo apego a tudo o que é nacional. Por sua vez a reforma que almejava tinha como objetivo consciencializar todo um povo da sua rica herança do passado e da sua grande potencialidade para o futuro. Que sejamos assim buscantes deste objetivo.

Compartilhe:

Camaquense é indicado ao maior prêmio de Cultura do RS

14/03/2018 | 19h14
Compartilhe:

A cultura advém de nosso interior, além da visão ou da audição do corpo como instrumento de nossa voz mais recôndita, a dança que é a expressão máxima do corpo tem pouca expressividade em nossa Camaquã, por isso queria divulgar não só esta arte, como o talento de um de nossos irmãos em artes Andrew Tassinari. Não por acaso este mesmo foi indicado ao maior prêmio de arte cultura do Rio Grande o Açorianos.

Indicado para o Prêmio Açorianos de Teatro na categoria Melhor Ator pela peça PRATA PARAÍSO com Direção do João de Ricardo entrei em contato com Andrew para contar esta grata novidade.

Alceu - Como foi receber a notícia da indicação ao Açorianos?

Andrew -“Foi uma grande surpresa pois esse foi meu primeiro trabalho de Teatro e eu realmente não esperava ser indicado sendo que estou concorrendo com artistas que tem uma trajetória como ator muito maior que a minha como por exemplo o João Carlos Castanha que é uma grande personalidade das artes cênicas de Porto Alegre. Estou imensamente feliz e apenas a indicação ao prêmio já é uma conquista e um grande reconhecimento do meu trabalho enquanto artista.

Alceu - Como tu vês a arte no RS no Brasil?

Andrew –“A cena artística no RS aumenta cada dia mais, com profissionais qualificados, porém a situação política é complicada pois os artistas estão perdendo os espaços de trabalho e verbas que o governo já investiu mais. Hoje é triste ver teatros e outros espaços públicos fechados assim como projetos de editais que não foram pagos também pois é o mínimo que as pessoas precisam para sobreviver trabalhando com arte no Brasil. Os governos públicos deveriam investir muito mais na cultura para garantir uma vida digna ao artista. Eu tive ótimas oportunidades em Porto Alegre e fui muito feliz durante dez anos que morei na capital gaúcha. Trabalhei em 3 companhias profissionais de Dança e uma de Teatro nas quais me renderam uma grande experiência como artista do corpo além de outros eventos/performances relacionados à moda e à cena Queer da cidade.”

Alceu - Tu estás em SP certo, o que te levou a mudar de cidade?

Andrew –“Decidi morar em São Paulo para dar continuidade à minha vida artística, investir mais em outras possibilidades além da dança. Hoje, apesar da minha formação ser em Dança, me enxergo não apenas como um bailarino de Dança Contemporânea, e sim como artista! Pretendo investir numa formação de ator também. Quero seguir um caminho artístico que permeie entre a Dança-Teatro, o Teatro-Físico e à Performance.

A ideia é ficar um tempo em São Paulo pois eu me identifico muito com a cidade pela qual eu visito com certa assiduidade desde 2013 mas depois pretendo sair do país e continuar trabalhando com arte em outros lugares do mundo.

Essa mudança é para eu me capacitar cada vez mais e descobrir outras linguagens do corpo, trabalhar com outros diretores e me permitir fazendo outras artes afinal, um artista tem que se reinventar o tempo todo, estudando e estando numa constante formação!”

Alceu - Por fim desejo sorte e muita arte para ti. Obrigado.

Vencedores do Açorianos serão conhecidos no dia 24 de março de 2018 no Teatro Renascença.

veja mais imagens:

Compartilhe:

Tempo, Ariadne e Legião Urbana

12/02/2018 | 12h59
Compartilhe:

Procuramos o Fio de Ariadne, a resolução de um problema que nós move de um lugar ao outro sem que saibamos que movemos mais que nossa consciência.

A lenda de Ariadne é o termo usado para descrever a resolução de um problema por meio do óbvio e do lógico. Essa fórmula que usamos muitas vezes anonimamente me veio quando percebi minha impotência perante a altivez do tempo.

Vejo o tempo como a fé, algo que acredito existir, mas não consigo tocar ou tatear, sim quando penso no tempo esqueço meus cabelos brancos, as primeiras rugas, calos ou objetos datados, são nas memórias voláteis que vão e vem que sinto o pisar dos anos na fértil areia de meus pensamentos.

Lá é que sons ganham formas e andam, os aromas falam, e as imagens abraça-me, de forma que pauso o viver corrido e pouco reflexivo, para lembrar e repetir sensações.

Por exemplo. Ao passear pela Praça Zeca Netto em uma ensolarada tarde de domingo, flagrei um grupo jovem tocando violão sob a cumplice sobra das árvores, além da raridade da união em tempos de smartphones, o que me chamou a atenção que o grupo era religioso, e que a música que tocavam a tempos atrás jamais seria permitida em tal grupo, pois era marginal e contestadora de mais Era uma música da Legião Urbana. Quem a mudou? Quem a transportou das margens de um Rock ousado para o centro de um grupo ancorado em tradições que a rejeitavam antes? Em minha humilde tentativa de resolver a questão respondo. Nossa lida com o Tempo.

Ora os valores de nossa sociedade continuam existindo, mas o que fazemos com eles é que muda, não foi o tempo que mudou, mas sim nós, o tempo independe de nossas atitudes, preocupações ou ações. Por pior ou melhor que seja a música continua falando a mesmas coisas as tradições também, o que muda é a luz que damos para estes vestígios que deixamos para outras gerações.

O de baixo sobe e de cima desce sem que possamos ficar nesta terra para testemunhar, por isso escrevemos, pintamos registramos, fotografamos, como se o tempo fosse um inimigo a ser abatido, então o desfiamos com estes artifícios tão catárticos.

Porém vejo o tempo com balsamo para as feridas de nossos erros, sejam individuais ou coletivos, pense em uma reconciliação, nos avanços da ciência e da medicina, se pensarmos que a poucos anos pessoas morriam por doenças hoje ridículas saberemos ver o tempo como aliado, e não como algoz.

Conhecendo o mito de Ariadne onde seu fio conduziu seu amado Teseu por um labirinto é possível entender que nossas escolhas é que qualificam nosso tempo e o que fazemos com ele, mas renega-lo a ponto de a surpresa ser o aríete de uma crise existencial não é o melhor.

Compartilhe:

Ócio para todo ano?

18/01/2018 | 07h28
Compartilhe:

No redomão dos dias modernos o ato de parar tem se tornado uma ação em extinção. Sim parar, estar em repouso, sem fazer nada, deixar a mente e o corpo divagar ao sabor do tempo que se esvai inclemente.

O contrário é a sonora roda dos compromissos, das obrigações, dos problemas que insistem em bater em nossa porta, de forma acintosa.

Uns chamam de correria do dia a dia, eu prefiro algo mais subjetivo, a incansável roda da vida. Que não para, só dá uma pausa sob o mando do sono, e como andamos dormindo pouco, são tantas séries para ver, tantas curtidas em nossos celulares...

Deparei-me sentado navegando, sobre ideias e pensamentos com uma revista na mão em meu pátio. Neste período de férias, ambiente natural deste ócio, indignei-me, mas meu choque se deve justamente por ter durante o ano muitas atividades, não reclamo, acredito que compactar os espaços na vida é saudável, mas começo a repensar e ser mais seletivo aos meus afazeres, para poder aproveitar melhor os momentos e família por exemplo só vi tudo isso por causa do ócio.

Falando em ócio, mas o que é isso? Este bicho quase erradicado de nossas vidas ocidentais? Vou mais longe, quero chegar ao nível do famoso ócio criativo. O Que? Ócio criativo é uma ideia inovadora desenvolvida pelo professor e sociólogo italiano Domenico de Masi. Segundo ele, o futuro do trabalho na sociedade pós-industrial está marcado pela união entre estudo e lazer.

Então penso que devemos estender mais estes momentos para qualificar nosso caminhar, não o ócio alienante, que nos faz sentir vazios e inúteis, mas sim um tempo só nosso que aduba as ideias e os reflexos do que estamos a viver, uma pausa para pensar no que fazemos muitas vezes sem pensar.

Tornar o obrigatório uma conveniência fatiada durante o ano pode ser uma maneira de produzir mais e melhor em nome de nós mesmos de forma saudável e crítica.

Salve o ócio.

Compartilhe: